Sobre o processo ensino-aprendizagem, focalizando as formas de atuação do professor e do aluno.


          Não há como fazer transferência do conhecimento docente, até porque, quando fazemos uma transferência, entregamos algo para alguém e ficamos sem.


          Por exemplo, quando transferimos dinheiro de nossa conta para outra pessoa, a outra pessoa fica com o dinheiro, nós não.


           Outro exemplo é quando falamos que transferimos a culpa para alguém, ou seja, nos livramos da culpa, pois a atribuímos a outra pessoa.


         No caso do conhecimento, poderíamos, no máximo, dizer que estamos transmitindo conhecimento. O correto seria construir conhecimento junto com o aluno.


       O exercício da profissão de professor e seu domínio não ocorrem por uma transferência direta de sabedoria divina. Não se pode supor que um jovem que ingressa como professor na universidade esteja preparado (mesmo que seja doutor e competente em pesquisa) para enfrentar a docência.


          Como em qualquer outra profissão, para atuar na docência, é preciso formação específica.


           Deve entender as metodologias de ensino, compreender o que é didática, a importância do planejamento no ensino, como avaliar os alunos e também se avaliar enquanto educador.


         Além disso, outras características são essenciais ao profissional que decide dedicar-se ao ensino superior.

      
   Quais são as características pessoais que precisamos ter para desenvolver bem nosso papel enquanto docentes universitários?


           Alguns autores estabelecem essa série de características mínimas do professor universitário:


• Boa resistência ao cansaço físico.

• Sistema respiratório com capacidade funcional.

• Voz clara.

• Acuidade visual e auditiva.

• Ser emocionalmente estável.

10 Pós-Universo

• Ter iniciativa e autoconfiança.

• Ser disciplinado.

• Ter paciência.

• Saber trabalhar com cooperação.

• Boa memória.

• Ser observador.

• Raciocínio rápido e lógico.

• Ser crítico.


            Além dessas características físicas, psicológicas e intelectuais, alguns requisitos técnicos são apreciados, como o preparo específico para atuar com determinado conteúdo curricular, ter cultura geral, conhecimentos e habilidades didáticas.


           É nesse último requisito que vamos nos ater. Tais habilidades envolvem o planejamento de ensino, a compreensão de como acontece a aprendizagem, conhecer métodos, técnicas de ensino e, por fim, saber elaborar instrumentos de avaliação.


            Para ser um bom professor, alguns outros atributos são bem-vindos.


            É preciso tratar com igualdade todos os alunos. É muito comum sentir admiração por alunos que têm um melhor desempenho, mas é importante lembrar que aqueles que têm maior dificuldade precisam de maior atenção.


           Outra qualidade é a busca por inovação. Não se ater apenas ao programa que deu certo no período passado, ou ao material, ou as técnicas.


          Sempre ler, apresentar novos materiais, nova metodologia poderá deixar sua aula mais dinâmica, seus alunos mais motivados e você aprenderá muito com isso.


         Além de ensinar o conteúdo proposto, é preciso ensinar a respeitar a si mesmo e ao outro, ensinar a trabalhar colaborativamente, ouvindo a opinião do outro, sabendo também expor a sua opinião.

0 Comentários