Para muitos de nós a vida é só um filme que passa na tela. Um longa metragem protagonizado por outros aos quais conferimos um poder maior do que merecem. No meio da escuridão do não sentimento e do barulho que a solidão coletiva traz, vamos remando um barco que vai dar onde ser, porque perdemos o controle ou, pior ainda, entregamos esse controle para outrem. Quando foi a última vez que você se deu alguma oportunidade de estar a sós consigo? Quando foi a última vez que você, com prazer e alegria, desfrutou apenas da sua companhia, de Deus e do universo ao seu redor? Muitos sentem e até dizem que estar sozinho é algo deprimente, triste, dificil. Mas é muito simples, fácil, necessário e fortalecedor; pois é o segredo para sermos mais felizes. Ficando em silêncio e a sós você consegue ouvir os seus pensamentos e conhecer a si mesm(a)o. Você é o protagonista da sua vida e, mais do que ninguém, deve entender as "engrenagens" de si próprio.
Mas, na correria do dia-a-dia, em meio as obrigações profissionais e familiares, acabamos por não conseguir nos concentrar em nós mesmos. O turbilhão de "vozes" que rondam os pensamentos impede que consigamos ouvir o "grito" mais importante de todos: o nosso. Permita-se estar sozinho, nem que seja algumas horas por semana, e pense, reflita e ouça aquilo que o SEU coração está te dizendo sobre como deve seguir a SUA vida. Descubra o que te deixa feliz e o que te entristece, e tente encontrar aquilo que é essencial para a sua paz. O Homem tem muitas peles em si mesmo, cascas digamos ou máscaras então. Peles que encobrem quem ele é e como ele sente nas profundezas do coração. Conhece tantas coisas, mas não conhece a nós mesmos. Olhamos para fora com medo de enxergar o que está dentro. Fazemos e temos coisas ao invés de ser o a felicidade que experimenta pelos 5 sentidos o sentido de estar vivos. Ora, trinta ou quarenta peles ou couros, inteiramente semelhantes aos de um boi ou de um urso, igualmente grossos e duros, recobrem a alma. Penetre no seu próprio fundamento e aprenda ali a se conhecer.

0 Comentários