Ás vezes nas provas escolares a professora nos dá perguntas de múltipla escolha (por exemplo, 20), mas então exige que apenas algumas perguntas sejam respondidas. 

        Nós poderíamos, por exemplo, escolher quaisquer 15 perguntas dentre as 20 perguntas para responder. Cada aluno escolhe responder as 15 perguntas mais fáceis para ele ou ela.

         Muitas pessoas tratam os Dez Mandamentos da mesma maneira. Eles pensam que Deus, após dar os Dez Mandamentos, quis dizer: “Escolha e obedeça a seis mandamentos dentre os Dez Mandamentos”. 

             Pensamos desta forma porque imaginamos Deus pesando os nossos ‘bons atos’ contra os nossos ‘mau atos’. 

             


             Se nossos méritos positivos forem mais pesados que nossas más imperfeições, então esperamos que isto seja o suficiente para merecer o favor de Deus e ganhar uma entrada para o céu. 

        Por esta mesma razão muitos tentam merecer o mérito religioso através de atividades religiosas como ir à igreja, mosque ou templo, orando, jejuando e dando dinheiro aos pobres. 

      Estes atos esperançosamente compensam as vezes que desobedecemos um dos Dez Mandamentos.

Contudo, uma leitura honesta dos Dez Mandamentos mostra que não foi assim que tais ordenanças foram dadas. 

       As pessoas devem obedecer e guardar TODOS os mandamentos – em todo o tempo. 

           A mera dificuldade disto tem feito com que muitos se rebelem contra os Dez Mandamentos. 

             O reconhecido ateu público Christopher Hitchens atacou os Dez Mandamentos por esta razão:

 “… então vem os quarto famosos ‘não’, que completamente proíbe o assassinato, adultério, roubo, e falsa testemunha. 

         Por fim, existe uma proibição contra a cobiça, proibindo o desejo pelos bens do ‘seu próximo’…  

      Em vez da condenação das más ações, há uma estranha expressão condenando os pensamentos impuro.  

           Os Mandamentos exigem o impossível. 

        Alguém pode ser forçado a se restringir das más açõe, mas proibir as pessoas de contemplar as más ações é demais.

         Se Deus realmente quisesse que as pessoas fossem livres de tais pensamentos, Ele deveria ter tido mais cuidado e deveria ter inventado uma espécie diferente”.  (Christopher Hitchens,  2007.  God is not great: How religion spoils everything, p.99-100).

           Por que Deus entregou os Dez Mandamentos?
Pensar que Deus aceita um esforço de mais de 50% ou que Deus cometeu um erro ao exigir o impossível é entender errado o propósito dos Dez Mandamentos. Os mandamentos foram dados para nos ajudar a identificar nosso problema.

        Vamos ilustrar isso com um exemplo? Suponha que você tenha caído no chão e que seus braços estejam doendo – contudo, você não tem certeza se há ou não danos internos. 

         O osso de seu braço está quebrado ou não? Você não está certo de se o braço irá melhorar ou se precisa de gesso em seu braço. 

            Então você tira um raio X de seu braço e a imagem de raio X revela que, sim, de fato, o osso de seu braço está quebrado. 

            O raio X cura o seu braço? O seu braço fica melhor em razão do raio X? 

             Não, seu braço ainda está quebrado, mas agora você sabe que seu braço está quebrado e que você precisa colocar gesso no braço para que ele seja curado. 

          O raio X não resolveu o problema, mas antes expôs o problema de forma que você tenha um tratamento adequado.  

      Teremos que forçosamente voltar ao tema dos Dez Mandamentos diversas outras vezes.

                       

0 Comentários