Resultado de imagem para soldado macedônico[
                       
            Já lhe ocorreu de chegar numa consulta e constatar que o endocrionologista era obeso? E você então ser compelido a concluir que por seu tamanho avantajado ele deveria ser mau médico? 

         Sempre julgamos quase tudo e, pior, pela aparência. O péssimo hábito de julgar pelo que vê é inerente ao ser humano. Porém, não aos seres humanos especiais, que, humildes, sempre admitem que a vida surpreende a todos  situações  inovadoras.

         Há quase três mil anos antes disso que vem a seguir, Israel sofria muito com a opressão da Síria e todo israelita queria livrar-se disso.

         Aconteceu que uma garota judia foi levada à força como escrava da mulher de Naamã, justamente o comandante do exército da Síria, o pior  inimigo de Israel. Aquela mulher  precisava de alguém para ajudá-la a cuidar do marido extremamente enfermo sofrendo de lepra.

          Ao chegar no palácio, movida pela ausência de ódio e julgamento, mesmo nessa terrível circunstância, a judia usou de bondade e se compadeceu de Naamã e de sua esposa.
                                                         


          Por isso, ela falou sobre o terapeuta Eliseu, um profeta em Israel,  sugerindo-lhe que só Eliseu teria condições de curar aquela lepra já tão avançada.

          Naamã aceitou a sugestão e foi depressa para Israel, onde, por meio do rei, conseguiu contatar Eliseu e foi bater na casa do profeta. 

         Eliseu, humilde, que era importante mas tratava todo mundo igual, não ficou lisonjeado com a visita desse alto comandante do exército opressor e nem quiz atendê-lo  pessoalmente.

         Eliseu mandou um mensageiro para orientar o comandante. A instrução foi simples: “Vai, lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será restaurada, e ficarás limpo” (2 Reis 5:10). 

          O prepotente Naamã, como lobo que nunca perde o pelo,   ficou indignado e até furioso, porque a atitude do profeta não correspondeu às suas expectativas.

           Orgulho, arrogante mesmo em desvantagem, Naamã imaginou que Eliseu faria um ritual de cura pessoalmente, não que mandaria o surpreedesse com o menosprezo de falar com alguém anônimo e ainda ser mandado mergulhar em um rio sujo!

            Retrucando o comandante perverso até citou os nomes de rios por ele considerado melhores que o Jordão para banhar-se na sua própria terra em busca de cura.

             Por isso, ofendido, Namaã foi embora intrépido. Porém, lá chegando, ouvindo de novo a menina, por não haver nenhum outro sinal de esperança, os oficiais de Naamã ponderaram com serenidade e conversaram com ele, demovendo o comandante da ideia de desobedecer Naamã ou de vingar-se da atitude profética dele.

            Então, o comandante foi ao rio Jordão, mergulhou-se as  sete vezes e ficou completamente curado!

            Mas, ainda restou uma dificuldade implantada pelo orgulho nessa vida de vaidade de alguém que só sabia vencer. O conquistador de povos não queria dever obrigação a um homenzinho simples de Israel. Naamã voltou com força à casa dele e insistiu que Eliseu recebesse pessoalmente um presente em pagamento pela cura, mas ai novamente o profeta recusou.

           Eliseu recusou-se a  usar seus dons para adquirir riquezas. É triste observar quantos hoje em dia se enriquecem às custas do poder que ganharam de Deus. Há homens fazendo isso em quase todas as religiões, fazem exatamente o oposto.

           Por seus constantes apelos financeiros, praticamente vendem as supostas bênçãos ou até seu dom de cura a preços incanculáveis. 


0 Comentários